Você é uma pessoa criativa? Entenda o processo criativo

A capacidade de criação do ser humano está diretamente ligada com a sua imaginação, e pode ser relacionada com algumas características e comportamentos para saber se és ou não uma pessoa criativa.


”Pessoas criativas têm níveis de consciência e atenção maior do que as demais. Isto dá a elas uma sensibilidade elevada, além de estarem sempre dispostas a enxergar novas possibilidades e buscar novas relações entre as coisas. Cabe ainda salientar que elas apresentam duas linhas de raciocínio: divergente e convergente.

O raciocínio divergente faz parte da natureza humana. Os indivíduos criativos utilizam-se de ‘gatilhos’ ou idéias simples para desenvolver idéias mais complexas. Durante o processo criativo, eles fazem uso de componentes da criatividade que auxiliam o momento criativo.

O raciocínio convergente é um modo de pensar no qual o indivíduo procura a solução correta para um problema. Isto é similar a solucionar um problema de física ou matemática como apresentado num livro. Nesse modo de pensar, o indivíduo faz uso do raciocínio lógico e avaliativo a fim de identificar o real escopo do problema e reduzir o universo de soluções adequadas ao problema. Isto implica em tentar encontrar critérios que delimitem quais soluções são apropriadas ao problema que se tem em mãos. Essa linha de raciocínio é empregada quando se deseja apreciar e avaliar um conjunto de dados e idéias a serem empregados na solução de um problema, bem como geração de uma nova ideia.”

citação de: http://www.espacoacademico.com.br/053/53silvafilho.htm


De modo geral, as pessoas mais criativas possuem um comportamento investigativo e sempre questionam cada hipótese, detalhando ao máximo as possibilidades. As pessoas criativas também são cheias de dúvidas, devido a quantidade de ideias que lhes vêm à mente, procurando uma maneira inovadora de solucionar questões já conhecidas.

Outras características comuns em pessoas criativas é que a inspiração vem do nada. Isso mesmo, não adianta forçar, a ideia virá quando tiver que vir, mas claro que pensar constantemente no problema ajuda bastante (risos). Por exemplo, nos projetos de arquitetura, recebemos o pedido do cliente ou a proposta do professor e temos um prazo para cumpri-lo, então sob pressão, acabamos forçando a tal inspiração. Acredito que todos já devem ter passado por algum projeto que parecia obscuro, as ideias não surgiam e depois que foi feita a entrega tudo ficou claro e outras ideias boas vieram, não é mesmo?? Tudo seria bem mais simples se estivéssemos livres para projetar no tempo que quiséssemos… mas faz parte… e também tem aquele negócio, que o projeto nunca é finalizado né? Se passássemos uma vida inteira desenhando o mesmo projeto, ainda teríamos alterações para fazer.


”O momento de criação de um indivíduo é similar ao momento de descoberta de uma criança. Ambos encontram-se com tempo ilimitado, sem pressão por resultados, sem vigilância e com imaginação e percepção aguçadas. Pode-se afirmar que a ingenuidade de uma criança auxilia no processo de descoberta e aprendizagem dela. O mesmo se dá no momento criativo, em situações de descoberta, no qual o cérebro não trabalha em busca de uma idéia e, repentinamente, ocorre um lampejo.

O comportamento de um indivíduo criativo é resultado da compilação de traços de personalidade. O comportamento dele se molda a partir do desenvolvimento de suas habilidades e da não ocorrência de bloqueios durante o amadurecimento de sua criatividade. Esse processo de ‘lapidação’ de um indivíduo criativo se dá com o exercício e incorporação de determinados padrões de comportamento inerentes ao processo criativo.”

citação de: http://www.espacoacademico.com.br/053/53silvafilho.htm






Uma listinha de características comuns em pessoas criativas:

1. Inspiração inesperada (puf, surgiu a ideia que eu precisava)

2. Sonhos constantes (quem nunca sonhou com os projetos da faculdade ou com a possível impressão do cliente?? quem nunca solucionou os problemas dos projetos enquanto dormia?? eu já fiz isso inúmeras vezes)

3. Tédio (affff, os dias sem criações são tão chatos)

4. Olhar infantil / Sem limitações (tudo é possível, simmmmm)

5. Persistência (ainda vai dar certo, nem que seja nos 3 últimos dias antes da entrega, hahaha)

6. Falta de preocupação / Bens materiais (pra quê bens materiais?? só preciso de papel e lápis, e talvez um computador e café (para muitos de vocês café, mas pra mim o chimarrão é indispensável para projetar))

7. Esquecer o tempo (puxa vida, esqueci de buscar o filho na escola… ué acontece)

8. Horários flexíveis de trabalho (a noite é uma criança)

9. Sentimentos controversos (ai, ta lindo… não, na verdade ta um lixo… não, exagero, ta tão lindo)

10. Procrastinação (tive uma ótima ideia… para fazer amanhã)

11. Analisar os prós e contras das situações / Visão crítica

12. Regras e Limites (detestooooooo)

13. Observação (muito observadores… to te vendo aí ein? ta lendo mas não curtiu ou comentou pq?? vergonha?? vai, conta aí o que achou)

14. Aprendem com cada experiência (independente da experiência, boa ou ruim)

15. Recomeço (pois é… ”e lá vamos nós”)



“Seja qual for o nível de estruturação adotado, o processo criativo se fundamenta em três princípios: ATENÇÃO, FUGA e MOVIMENTO. O primeiro princípio nos diz: concentre-se na situação ou problema; o segundo: escape do pensamento convencional; o terceiro: dê vazão a sua imaginação”

Paul E. Plsek


Post por:

 ASSINATURA_VANESSA17


CADASTRE-SE E RECEBA NOVIDADES SOBRE O MUNDO ARQUITETÔNICO

O seu nome (obrigatório)

O seu email (obrigatório)

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *