Um pouco sobre: Dadaísmo

Em que consiste

O Dadaísmo foi um movimento artístico que teve início em Zurique, no ano de 1915, durante a Primeira Guerra Mundial. O uso da palavra “dada” se refere a non-sense, ou falta de sentido que pode ter a linguagem como na fala de um bebê. Simbolizando, desta forma, o caráter anti-racional do movimento, claramente contrário à guerra e aos padrões da arte da época.

Segundo os dadaístas, o maior problema dos outros movimentos era o querer explicar o ser humano. O Dada trouxe para a arte um caráter de espontaneidade e gratuidade total, deixando para trás a lógica, a postura racional e a organização.

Usavam métodos muitas vezes incompreensíveis, tentando expressar a negação dos valores estéticos e artísticos correntes.

O movimento se espalhou em poucos anos, alcançando as cidades de Barcelona, Hanôver, Nova York, Berlim e Paris. Foi composto por escritores, poetas e artistas plásticos, sendo liderados por Tristan Tzara, Hugo Ball e Hans Arp.

Após, muitos de seus adeptos contribuíram para a criação do Surrealismo, e seus parâmetros influenciam a arte até os dias de hoje.


Características

No Dadaísmo há uma negação total da cultura, trabalhando com o ilógico, o absurdo, a incoerência, a desordem, o caos. Este movimento defende a oposição a qualquer tipo de equilíbrio; combinação de pessimismo irônico e ingenuidade radical; ceticismo absoluto e improvisação.

A proposta era que a arte ficasse solta das amarras racionalistas e fosse apenas o resultado do automatismo psíquico, com elementos combinados ao acaso.

Sua arte também era um meio de protesto contra a guerra, denúncia e escândalo.

Era constante o uso do poema aleatório e ready made (confeccionado – pronto), e nas pinturas e esculturas, eram usados pedaços de materiais encontrados nas ruas ou objetos que haviam sido jogados fora.






Artistas representantes

André Breton, Tristan Tzara, Marcel Duchamp, Hans Arp, Julius Evola, Francis Picabia, Max Ernst, Man Ray, Kurt Schwitters, Raoul Hausmann, Guillaume Apollinaire, Hugo Ball, Johannes Baader, Arthur Cravan, Jean Crotti, George Grosz, Richard Huelsendeck, Marcel Janco, Clement Pansaers, Hans Richter, Sophie Täuber, Beatrice Wood.


Principais obras

1

 “A Fonte” – Marcel Duchamp 

2

“L.H.O.O.Q.” – Marcel Duchamp

3

“Uma Mulher Feliz” – François Picabia

4

“O Gigante Acéfalo” – Max Ernest

5

“Forest” – Hans Arp


Post por:

ASSINATURA_VANESSA17


CADASTRE-SE E RECEBA NOVIDADES SOBRE O MUNDO ARQUITETÔNICO

O seu nome (obrigatório)

O seu email (obrigatório)

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *