Conjunto Habitacional de Aarhus

Autores: CEBRA
– Mikkel Frost, Carsten Primdahl e Kolja Nielsen; JDS ARCHTECTS –
Julien de Smedt; SEARCH – Bjarne Mastenbroek; Escritório Louis Paillard.
Local: Porto de Aarhus – Dinamarca
Ano do projeto: 2008

Área: 21.500m²



O Conjunto Habitacional de Aarhus, ou Iceberg, foi desenhado por quatro escritórios de arquitetura, sendo dois dinamarqueses (CEBRA e JDS), um holandês (SEARCH) e um francês (Louis Paillard), para um concurso realizado na cidade de Aarhus, no qual ganhou o primeiro prêmio.




IMPLANTAÇÃO
O projeto foi implantado de maneira que se aproveitasse a proximidade com o mar e com a cidade, para se obter belas visuais dos mesmos, além de aproveitamento da iluminação e ventilação natural.
Trata-se de um conjunto que combina diversas tipologias de unidades habitacionais e espaços de comércio e serviços.
A propriedade será composta de 10 andares com 210 apartamentos e estacionamento subterrâneo. A área dos apartamentos varia de 50 a 200m².
Implantação
Planta de situação
Vista geral da área
COMPOSIÇÃO VOLUMÉTRICA
Sob o aspecto volumétrico o projeto foi concebido a partir de prismas com alturas variadas que possibilitam – segundo os autores – maximizar a iluminação e diversificar as perspectivas a partir das unidades habitacionais.
O objetivo foi quebrar os edifícios para maximizar a vista para o mar para todos os apartamentos. Esses cortes foram inspirados por icebergs flutuantes, que estão sempre quebrados.

Pensando em priorizar a visão e luminosidade, os arquitetos criaram pontos de vistas em várias direções, com os telhados que sobem e descem deslocados um do outro proporcionando melhor ângulo para as visuais do entorno.



CARÁTER: A cor branca com o vidro, e recorte triangular estão presentes na obra.
SIGNO: O projeto prevê vasta arborização, e possui contato visual direto com o mar.


 


UNIDADE: A composição triangular e harmoniosa cria uma associação livre com uma fachada dinâmica.


 


EQUILÍBRIO: Houve um cuidado para manter a composição equilibrada, já que os edifícios vão aumentando seu tamanho gradativamente.



HIERARQUIA: O projeto nos passa a impressão de que é o edifício de maior tamanho que organiza a composição, sendo que os outros se originam dele.


 


ABERTURAS: Há em todos os edifícios e andares, uma mescla entre as paredes cegas e as aberturas que possuem formatos triangulares diferenciados e são dispostas aleatoriamente.



SETORIZAÇÃO

A variedade volumétrica também permite uma diversidade tipológica, com a possibilidade de apartamentos de formatos, ambiências e tamanhos diversos.
No nível térreo há unidades que se integram ao espaço exterior, como as tipologias térreas típicas, e no topo, coberturas que se destacam pela riqueza espacial, luminosidade e amplas perspectivas.
Entre a base e o topo, há uma variedade de tipologias, com varandas, formas e orientações diversificadas.
A combinação tipológica foi proposta de maneira a garantir uma diversidade social, com pessoas de
faixas etárias, rendas e estruturas familiares diversas.

 

 

Planta baixa apto 01
Planta baixa apto 02
Planta baixa geral pavimento
FONTE:

 


Texto por:ASSINATURA_VANESSA17


CADASTRE-SE E RECEBA NOVIDADES SOBRE O MUNDO ARQUITETÔNICO

O seu nome (obrigatório)

O seu email (obrigatório)

Facebook Comments

4 Comments

  1. Olá sabe me dizer qual o nome deste edificio, que na implantação tem uma forma de Z?

    • Boa tarde Thalita, acredito que seja o Z-HUSET. Não havia pesquisado a respeito, mas agora procurei e encontrei este site sobre o empreendimento http://zhuset.dk Achei lindo!!! Uma boa referência para aparecer aqui no blog!! Obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *